sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quem é o mar?

Uma resenha nunca me fez tão bem quanto essa que vai ao ar hoje. Todo o processo, da leitura à pesquisa das imagens e das músicas, significou uma chance de lidar com a desesperança que me acompanhou ao retornar do Rio de Janeiro. Nos primeiros dias, antes de ler "No mar", eu só conseguia enxergar a ideia de derrota. Sentia como se houvesse encalhado. Acordaram em mim os sentimentos de descrença e medo, vindos daquela parte em nós que sempre prefere duvidar e não içar velas ao sonho.

 

Por isso, Toine Heijmans e suas 150 páginas de "No mar" serviram como antídoto. Era tudo que eu precisava encontrar na estante nesse momento.
Após a leitura, tive a grata surpresa de descobrir a existência da adaptação em filme, feita pelo diretor Marinus Groothof, para a TV holandesa NPO. Algumas partes do filme estão na resenha em vídeo. ("Op Zee" é o título original, e foi exibido no programa "One Night Stand" no dia 10 de janeiro de 2014. Para quem tiver interesse, o filme está disponível online, gratuitamente: http://onenightstand.ntr.nl/2014/08/21/op-zee/ )

Ao fim do vídeo, a leitura do poema "O mar", de Borges, é feita na voz de Tânia Fernandes, minha mãe.




terça-feira, 29 de novembro de 2016

Minha sombra cabe ali

No início de setembro, descobri sobre um concurso da Amazon, o Prêmio Kindle de Literatura. Apenas livros inéditos concorreriam e o vencedor seria publicado pela Editora Nova Fronteira.
O concurso estaria aberto até o dia 30/11.
Por não poder concorrer com O deserto dos meus olhos, coloquei em mente que escreveria um novo livro em menos de três meses.
A meta era finalizá-lo no dia 11/11 e ter algumas semanas para revisá-lo, antes da publicação.

Adquiri um ritmo de escrita inteiramente novo para mim. Por isso é que precisei colocar de lado, por ora, as resenhas do canal prelúdios, no YouTube. Conciliando a faculdade, minhas pesquisas e a escrita, revisitei uma cidadezinha que guardo no coração e produzi cerca de 3 mil palavras por dia. 


No início de novembro, um pouco atrasado, adentrei os capítulos finais... sempre os mais difíceis para mim. No dia 24 deste mês, terminei a escrita e dei início ao processo de releitura e revisão. Ao mesmo tempo, comecei a produzir a capa (ilustrada com uma pintura de meu sobrinho Bernardo de Azevedo Nonato, de apenas 11 meses de idade; em meu Instagram é possível ver o dia em que ele nos presenteou com sua arte).

Hoje o livro está pronto e publicado.


Minha sombra cabe ali é uma autoficção e nos conta sobre um retorno à cidade de Cristina, do interior do sul de Minas Gerais, onde, em minha infância, tive a breve convivência com meus avós paternos. O protagonista segue os meus passos e busca recolher lembranças que só poderiam despertar ali, no contato direto com o espaço revisitado. Nessa cidade, porém, há um segredo que ninguém ainda havia descoberto.





Esse romance foi publicado hoje, no dia 29/11, e está concorrendo ao Prêmio Kindle. A divulgação dos dez primeiros finalistas será muito em breve, no dia 12 de dezembro. Imagino que a avaliação final dependa da atenção que a obra puder chamar, entre tantas que estão concorrendo. O tempo é curto. Por isso, conto com a divulgação e, sobretudo, com a leitura e avaliação de vocês (por meio das estrelas da Amazon).
O livro está disponível para Kindle, por R$6,50, e gratuitamente para usuários do Kindle Unlimited. É possível lê-lo mesmo sem um aparelho Kindle; basta baixar o aplicativo para celulares, tablets, e também para PCs.
Farei um vídeo para os próximos dias, contando um pouco mais sobre isso tudo!
Obrigado. E boa leitura!

https://www.amazon.com.br/dp/B01NAC781P





quinta-feira, 25 de agosto de 2016

O espaço nos fala

Onde está a essência inata de uma criança que foi privada da relação com o espaço, com a língua e com outras pessoas? Ela seria capaz de exercer algum poder de criação?

Habitar é nosso primeiro ato, habitamos antes de nascer, e quando encontramos o mundo exterior do lado de cá do ventre materno, o espaço é então nossa primeira descoberta. A casa é o que vem muito tempo depois, inventada. E está em sua arquitetura o mapa da alma que deseja recolher-se uma vez mais, continuar habitando, para voltar a entender o mundo por um interior.

A casa, com suas divisões, refúgios, segredos e fronteiras, é o ambiente que consagra os refúgios do próprio morador.

A beleza de plantarmos uma árvore ao lado da casa e vermos seu crescimento é um ato que unifica exterior e interior, ato que aguarda o dia em que essa mesma árvore quebrará a janela por onde nós tantas vezes nos pusemos a admirá-la. Assim é a nossa relação com o espaço. E, por isso, por somente assim enxergarmos o tempo, é nele, no espaço, em que confessamos nossos desejos pela permanência.

Em A poética do espaço (1957), Gaston Bachelard define essa relação de permanência da seguinte maneira:



"Por vezes acreditamos conhecer-nos no tempo, ao passo que se conhece apenas uma série de fixações nos espaços da estabilidade do ser, de um ser que não quer passar no tempo; que no próprio passado, quando sai em busca do tempo perdido, quer "suspender" o voo do tempo. Em seus mil alvéolos, o espaço retém o tempo comprimido. É essa a função do espaço."

___________________


Essa é a partida para o vídeo que vai ao ar hoje. Dando continuidade aos temas dos vídeos anteriores, da imaginação à linguagem, este explora o lugar do espaço na formação de nossa natureza humana:




Ao fim dele, uma surpresa especial: a leitura do poema é feita por Tânia Fernandes, minha mãe! E o poema, "Quintanices", é de Regina Dayeh, de seu belíssimo livro "Meu pai desenhava navios". Eis a transcrição:

"Segui teu conselho
abri uma janela

palavras

dançam nas ruas estreitas
pelas avenidas
grafitam nos muros
ocupam espaços
correm na areia

entre rios e pontes
entre vagas ideias
as letras as frases
escapam pulando
em cores

na boca
no sangue
na mão

chega o poema
e junto o poeta
e vem o convite,
à festa folia
brincar de poesia
os sons
toda a luz.
arejam a casa
alegram a casa

habitam em mim."


Publicado pela Miró Editorial, em 2013.

Regina Dayeh nasceu no Rio de Janeiro em 1954 e passou a infância e adolescência em Santos. Mudou-se para São Paulo, onde se formou em Direito no Largo de São Francisco, em 1977. Foi professora universitária de Direito Empresarial e é Assessora Jurídica do TRT-SP. Poeta e contista, "Meu pai desenhava navios" é seu primeiro livro de poesia.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

a tração

Quando a glória de nossos pais é cantada com versos de temor, quando suas dores lhes deram a luta e a redenção, é quando nos afiamos com uma nociva ironia: aprendemos a temer determinada coisa e a desejá-la ao mesmo tempo.
Se toda história cumpre seu papel quando nos coloca nos passos e nos percalços dos heróis, como então aprender o valor da reverência sem enveredarmos agrilhoados pelos perigosos terrenos da encenação?
Este é o fio inextensível que nos mantém a todos falsamente caídos, suspensos, pêndulos, certos de mil liberdades. Só vivemos quando rodamos, e rondamos, porém, um centro à cuja face nunca levantamos os olhos; divisamos o que parece distante, fora de foco, mas que se trata apenas do chão, tão perto. Pontos da superfície em que mal tocamos são passageiros, como outros tantos pontos que ficam para trás antes que possamos percebê-los em detalhes, pontos cheios de particularidades que tornamos a não notar quando os reencontramos. Não temos certeza se rodamos à esquerda ou à direita, não há ar que toque a face e denuncie a direção a que seguimos. Sonhamos fugas tangenciais, aferimos planos antigos; às vezes dizemos a nós mesmos, Rompemos o fio!, é quando sentimos a resistência do ar e cogitamos ter saído enfim por aquela reta tão necessária; juramos já estar seguindo para longe, quando reabrimos os olhos e nos encontramos de volta, noutro ponto igual da rota pendular. Seguimos sós aos lugares em que estivemos, reaproximamos os velhos atos e ecoamos os gritos das dores daqueles outros que já não abrem a boca.
Aprendemos a temer, não a evitar a tração do desejo.
Desejamos o que tememos pois é só assim que nos sentimos em luta, numa luta que possamos chamar de nossa, que pensamos ser legítima.
Mas de legítima só há a dor que não tememos e não buscamos.
É aquela que rompe o fio quando estamos de olhos abertos.






terça-feira, 3 de maio de 2016

Um conto para o meu sobrinho

Cá estamos porque chegamos
(para ler este texto na íntegra, basta clicar aqui; disponível gratuitamente para assinantes do Kindle Unlimited!)

Ontem você chorou de dor e resolvi lhe escrever estas palavras.

Tenho tido a chance de observá-lo enquanto seus olhos descobrem cada detalhe deste mundo. Com quais cores seu quarto foi decorado? Qual a textura dos pelos daqueles três cachorros que te aguardam para brincar? O que é um cachorro? As palavras agora não existem. As palavras, você descobrirá, têm um jeito de serem nossas e de ninguém ao mesmo tempo. Pois são antes os sons que te interrompem as sensações, ruídos cantados que saem da boca dos outros te chamando para um mundo que ainda não é seu. Só lhe resta ter criatividade para inventar sentidos de acordo com a repetição de algumas sílabas; as mais frequentes, você está prestes a descobrir, já o identificavam antes mesmo de você chegar. E todas essas novidades sonoras encontram par no mundo visual. Fico curioso para saber quando será o instante exato em que, à noite, você de repente se dará conta de que uma daquelas luzes lá no alto não é a lâmpada de mais um poste, mas um disco branco e único acima das nuvens, entre milhares de pontinhos cintilantes.

Tantas coisas ainda têm tão pouco significado que é como se tudo ainda não tivesse nascido. Tudo ainda está por chegar, embora você já esteja aqui.

Em outras palavras, quando nos damos conta de que estamos aqui, há muito tempo chegamos e nem pudemos perceber o processo gradual de todas as outras coisas que chegam. É uma das trapaças da vida: só percebemos aquilo que foi, não aquilo que é. O dia de hoje só chega amanhã.

Ontem você chorou de dor.

– Quando você vai escrever um conto para o Bernardo? – seu pai me encorajou várias vezes. E há algum tempo eu me coloquei pensando sobre o que poderia escrever. A ideia implícita de se escrever um conto é a de que eu lhe contasse uma história, com início, meio e fim, uma ficção provavelmente, talvez no formato de um conto infantil, talvez algo mágico que te fizesse imaginar mundos, atos e cores, contos, afinal, como os que você terá ouvido e lido daqui a alguns anos. Mas resolvi contar algo melhor do que qualquer coisa que eu pudesse inventar. Vou lhe escrever um pouco sobre as coisas que você amanhã não terá condições de se lembrar.

Como você se recordaria do almoço de ontem, quando você ficou soltando puns, todo sorridente, sacudindo suas pernas no ar como se pedalasse uma bicicleta invisível, ali ao nosso lado da mesa, deitado em seu carrinho, dando os gritos de mais uma das suas conversas que não necessitam daquela coisa arriscada e imprecisa que inventamos e chamamos de compreensão? Não é uma injustiça enorme você não poder se lembrar desse dia? Ontem comíamos o almoço delicioso que sua inigualável avó Tânia, minha mãe, cozinhou. Ela é a melhor cozinheira desse mundo, pode acreditar no tio. Os olhos dela brilham quando encontram os seus, afinal de contas você esteve vivo ali dentro, dentro dos olhos dela, há muito tempo. Sabia disso? Esqueça as cegonhas (desculpa), o que nos trouxe até aqui foram os olhos de muitas pessoas que nunca poderemos conhecer. Olhos que se fecharam e se reabrem nos seus.

Se for complicado entender isso aí, pode pensar primeiro na barriga da sua mãe, e depois na barriga da minha mãe. Elas são como bonecas russas. Já ouviu falar dessas bonecas? Durante o almoço de ontem falamos sobre isso. Vou fazer como um dos meus autores preferidos costumava fazer (Kurt Vonnegut é o nome; vale a pena ler os livros dele!) e interromper o texto para desenhar uma dessas bonecas para você:



As mulheres têm esse superpoder e essa grande responsabilidade; elas permitem que nós continuemos a existir. Graças a elas, tudo que fazemos é chegar. Mesmo quando estamos partindo.


sexta-feira, 1 de abril de 2016

A edição impressa de O deserto dos meus olhos

Pessoal, preparei um vídeo especial. É o book trailer de O deserto dos meus olhos, pois teve início a venda da 2ª edição física do livro! Para receber o seu exemplar em casa, basta entrar em www.leonidris.com (o frete é gratuito para todo o Brasil)!

Agradeço ao músico Brice Davoli, pela gentil permissão de uso de sua composição, "Love Stream".


______________

A EDIÇÃO IMPRESSA

      
Páginas: 456
Largura: 14 cm
Altura: 21 cm
Acabamento: brochura
Papel: pólen soft (amarelado)
Lançamento: 30/03/16
ISBN: 978-85-919724-0-1

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

S.

Imagine acordar hoje sem lembrar que existiu um dia anterior em sua vida. Nenhum nome a dar ao corpo que se move para fora da cama. Não saber quem são as pessoas nas fotos da mesinha de cabeceira. Nada resta em sua mente além de algumas palavras vazias de significado. Você ainda sabe falar, mas não sabe o que falar nem por que deveria fazê-lo.
Esse é o protagonista da primeira experiência do cineasta J.J. Abrams na literatura. O S. que temos em mãos é um invólucro para outro livro, intitulado O Navio de Teseu, um livro de biblioteca que foi lido e rabiscado por outros dois leitores muito antes de chegar em nossas mãos. Dentro ainda existem papéis, documentos e cartões postais trocados entre os leitores. Mas quem são esses leitores? Quem é o autor, um tal de V.M. Straka? E o protagonista sem memória, o que ele vai fazer em meio a isso tudo?
Quanto à identidade do autor, podemos nos juntar à investigação dos dois leitores das margens, Eric e Jennifer, e buscar pistas, resolver códigos numéricos e linguísticos. Enquanto nos perdemos nisso, todas as questões são orquestradas e respondidas secretamente por outras duas mentes ocultas, nomeadas apenas no selo que rompemos antes de abrir o livro. J.J. Abrams e Doug Dorst.

Emily Berl/NYT
Em mais de uma entrevista, sempre ao lado de Dorst, Abrams expôs um medo que foi constante durante a produção deste livro: o risco de tudo parecer apenas um artifício, um truque do projeto gráfico a ofuscar o vazio de uma história possivelmente pouco interessante em segundo plano. Pois a ideia teve início assim, de modo artificioso, sem pretensões de significados maiores além de uma proposta gráfica inédita… e talvez promissora. O truque, portanto, dependeria de uma história que valesse a pena ser contada por meio desses artifícios; a dificuldade seria justificar o projeto gráfico. Abrams não teve pressa, levou mais de uma década para descobrir o caminho.
Tudo teve início em 1998, quando ele encontrou no aeroporto de Los Angeles um livro abandonado (The Cry of the Halidon, de Robert Ludlum), com uma anotação no interior:
Quem quer que encontre isso, por favor leia e deixe em algum lugar para outra pessoa encontrar.
Isso bastou para despertar em Abrams uma ideia que alterava a concepção do que entendemos ser um livro – uma comunicação entre autor e leitor. Em uma entrevista a CBS em 2013, ele disse que naquele momento conseguiu ver o livro como “uma embarcação de comunicação entre dois leitores”. Essa alteração da posição tradicional da leitura parece, por si só, um ponto de partida de enorme potencial, mas qual seria a essência do livro lido por essas duas pessoas? É aqui que, em fevereiro de 2009, entra Doug Dorst, autor de Alive in Necropolis (ainda sem tradução para o português).
Segundo o próprio J.J. Abrams, foi Dorst o responsável pela escrita do livro inteiro, com eventuais reuniões sobre o que estava sendo produzido aqui e acolá, o que de modo algum é uma novidade para Abrams. O cineasta que muitos aprenderam a idolatrar, criador das séries Alias, LOST e Fringe e responsável por revitalizar Star Trek e Star Wars, tem acumulado resultados brilhantes na arte de dividir a produção das histórias que conta. Sua constante é a imagem final, que parte de uma premissa de mistério – de se valorizar mais a pergunta do que uma resposta. Mas todas suas melhores produções compartilham também de uma sábia colaboração na escrita de roteiro. Embora tenha entrado em Hollywood, no início dos anos 90, ao assinar sozinho (ainda como Jeffrey Abrams) os roteiros de Eternamente Jovem, com Mel Gibson, e Uma Segunda Chance, com Harrison Ford, Abrams encontrou maior sucesso ao dividir a escrita de projetos como Armageddon e sua primeira série, Felicity. Foi durante essas produções que conheceu os frutos da escrita colaborativa com Adam Horowitz, quem depois foi levado à equipe de LOST – geralmente creditada, e criticada, apenas como produto da mente de Abrams. Vale lembrar que a série sobre os sobreviventes do voo 815 na ilha misteriosa teve a influência direta de Abrams apenas na primeira temporada, quando Damon Lindelof tomou o leme e se encarregou de guiar a escrita até o fim. Abrams não participou da segunda temporada pois se comprometeu a dirigir Missão Impossível III, com Roberto Orci e Alex Kurtzman – dois roteiristas que ele depois levou a Star Trek (Damon Lindelof também foi chamado ao time para o roteiro da continuação, Star Trek Into Darkness).
O que essa teia de nomes e colaborações recorrentes revela é que o sucesso de Abrams está, acima de tudo, em colocar-se na posição de maestro. As melhores histórias que ele nos conta, como é o caso de Star Wars: O Despertar da Força, são projetos cuja premissa e direção final carregam sua visão, mas cuja identidade se dissipa em outras mentes. Não por acaso, esse é o valor maior de S., que reflete sua colaboração na própria narrativa: a autoria é inescrutável.
O mistério maior de S., à primeira vista, nos parece ser sobre a identidade de V.M. Straka, o autor fictício criado por Abrams e Dorst, mas a característica essencial desse mistério esbarra em qualquer identidade que se deseje encontrar, como a do protagonista ou do próprio leitor, que aqui, ao lado de Eric e Jennifer, não tem o direito de existir livre para ser um só.
O título O Navio de Teseu, por sua vez, faz referência direta ao paradoxo proposto pelo historiador e filósofo grego Plutarco, que problematizou o costume de reformas da embarcação que teria levado Teseu até Creta, onde venceu o Minotauro. Plutarco conta que a embarcação foi preservada pelos atenienses por quase mil anos e propôs o desafio de explicarmos quando é que alguma coisa perde sua essência, quando é que deixa de ser o que a consideramos ser. Ao longo do suposto milênio, o navio usado por Teseu teve de passar por inúmeras reformas, sempre perdendo suas partes originais e sendo reconstruído com partes novas. Então, pergunta-se, ao se substituir a última parte constituinte do navio original, ele deixaria de ser O navio de Teseu?
Esse é um problema que nos inspira – e que naturalmente inspira S. – a questionar nosso próprio ato de autoria sobre as palavras que usamos para definir o que definimos. Algo é o que é à medida em que o nomeamos? A identidade do navio, das coisas e até de nós mesmos, existe à parte de nossas invenções? Para se responder, positiva ou negativamente, a esse paradoxo essencialista é necessário um ato de renúncia ou de aceitação. Devemos renunciar à capacidade de as palavras investigarem mistérios de uma realidade que elas próprias mal refletem, ou então aceitar que a realidade é tão inventada quanto o significado das palavras.

Quer saber mais sobre S. e o Navio de Teseu? Preparei uma resenha em vídeo no meu canal no YouTube: 


CURIOSIDADE

Escrevi esse texto no dia seguinte à morte de Umberto Eco, professor de todos nós amantes dos mistérios que nascem do uso das letras. Ainda em março deste ano devemos receber um livro póstumo seu, Pape Satan Aleppe, a ser publicado pela editora a que Eco se juntou pouco antes de falecer. O nome dela? La Nave di Teseo.

Se eu soubesse dessa curiosidade e da triste notícia antes de fazer o vídeo acima, teria acrescentado o lembrete de que Eco era, entre nossos contemporâneos, o semiólogo mais determinado a construir sobre as bases de Saussure (citado no vídeo) e Peirce, a unir supostas diferenças e a ampliar o estudo sobre os símbolos. Portanto, que esse vídeo sirva também como uma homenagem à área do saber que Eco tanto amava. E como um convite. Ao nosso constante retorno à linguística e aos avanços que a escrita de Eco nos trouxe.